Nossa história

O Instituto Caminho do Meio foi constituído juridicamente em 2008, mas suas atividades tiveram início muito antes, pela visão e ação de Lama Padma Samten

O Instituto Caminho do Meio (ICM) surgiu como fruto das atividades ambientais e sociais desenvolvidas, desde os anos 1970, pelo Lama Padma Samten, na época Alfredo Aveline. Professor de física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Aveline foi voz atuante nos debates sobre energia nuclear no País, além de ter sido um dos fundadores da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN).

Anos mais tarde, ele tornou-se aluno de Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche, por quem foi ordenado Lama em 1996. Desde então, aliou e expandiu suas atividades de transformação do mundo a partir da visão ampla trazida pela tradição budista, dando origem ao Instituto.

Manifestação da AGAPAN nos anos 70.
Manifestação da AGAPAN nos anos 70.
Lama Padma Samten à esquerda e S. Ema Chagdud Tulku Rinpoche em Porto Alegre, 1997. Foto: Arquivo CEBB
Lama Padma Samten à esquerda e S. Ema Chagdud Tulku Rinpoche em Porto Alegre, 1997. Foto: Arquivo CEBB
Registro do primeiro 72 Horas de Paz, na virada do ano 1999-2000. Foto: Arquivo CEBB.
Registro do primeiro 72 Horas de Paz, na virada do ano 1999-2000. Foto: Arquivo CEBB.
1986
1990

É lançada a primeira edição da Revista Bodisatva, periódico voltado à divulgação de textos budistas e de transformação do mundo.

1996

Alfredo Aveline é ordenado Lama por S.E. Chagdud Tulku Rinpoche e adota o nome de Padma Samten.

1999

Na virada do ano, o CEBB se junta a outras organizações para promover o primeiro 72 Horas de Paz, evento de diálogo e promoção de cultura de paz que, desde então, passa a acontecer anualmente.

2007

Em Viamão, constrói-se a primeira etapa da sede do Núcleo Assistencial, Social e Educacional Caminho do Meio (NASCEM), na comunidade do Jardim do Castelo.

Em Recife, Lama Padma Samten e seus estudantes se aproximam do Núcleo Educacional dos Irmãos Menores de Francisco de Assis (NEIMFA), na comunidade do Coque.

Na sua nona edição, o 72 Horas de Paz é estendido, rebatizado de 108 Horas de Paz.

2008

O Instituto Caminho do Meio, localizado em Viamão (RS), é constituído juridicamente.

No mesmo ano, é inaugurada a Escola Caminho do Meio, a partir de uma visão pedagógica estruturada em torno das Cinco Sabedorias Budistas.

2009

O ICM sedia, pela primeira vez, o curso Educação Gaia, em parceria com a Fundação Findhorn, a UFRGS e a Amigos da Terra Brasil.

2010

É fundada a ONG Ação Darmata, em Recife (PE) como outra expressão de ação social da sanga budista do CEBB.

2012

Início das atividades do Centro de Desenvolvimento Infantil (CEDIN).

2013

Surge o Instituto Caminho do Meio Alto Paraíso (Alto Paraíso, GO) visando expandir a ação na região.

A Escola Vila Verde, anteriormente uma iniciativa privada, passa a ser mantida e dirigida pelo ICM.

2015

Os moradores da Aldeia CEBB Caminho do Meio, em Viamão, passam a organizar sua feira interna, focada em produtos naturais e orgânicos.

2017

É criado o Instituto Caminho do Meio Canelinha (Canelinha, SC).

Ocorre a primeira edição do Programa Terra Pura: Formação em Auto-Organização, em que os diversos atores das Aldeias CEBB se encontraram para compartilhar experiências sobre a construção das comunidades.

O ICM se oferece como apoiador no início da Retomada Mbya Guarani em Maquiné (RS), nas terras da extinta FEPAGRO.

A Revista Bodisatva é revitalizada, com o lançamento de um novo site e nova proposta editorial.

2018

É fundado o Instituto Caminho do Meio Sukhavati (Quatro Barras, PR).

Por iniciativa de alunos de Ernst Götsch, é instituído o Centro de Pesquisas em Agricultura Sintrópica (CEPEAS), na Aldeia CEBB Alto Paraíso (GO).

CEBB e ICM se reunem a outras instituições religiosas e de ação social e articulam a Rede Compassiva.

Conheça as áreas de atuação do Instituto Caminho do Meio clicando aqui.