Somos uma entidade sem fins lucrativos com a missão de contribuir para o desenvolvimento humano, a transformação social e a cultura de paz.

Buscamos despertar e ressaltar as qualidades positivas naturalmente presentes em cada ser humano, de forma que todos possam estabelecer melhores relações consigo mesmos, com o outro, com a sociedade e com a biosfera. Para isso, realizamos atividades nas áreas de assistência social, cultura, educação, saúde, desenvolvimento sustentável e direitos humanos.

O Instituto Caminho do Meio (ICM) foi fundado em 2008, consolidando as ações de transformação social do mestre Lama Padma Samten e de seus estudantes, praticantes do budismo tibetano ligados ao Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB).

As atividades do ICM acontecem em diversas cidades do Brasil, junto às Aldeias CEBB – comunidades que surgem em torno dos centros budistas do CEBB. Atualmente, são sediadas principalmente em cinco destas aldeias: Viamão (RS), Timbaúba (PE), Alto Paraíso (GO), Canelinha (SC) e Quatro Barras (PR).


Onde atuamos

Realizamos diversas atividades de interesse público, além de fomentar estudos, pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, e a produção e divulgação de conhecimentos técnicos e científicos em nossas áreas de atuação:

EDUCAÇÃO PARA A FELICIDADE

O objetivo é oferecer ações formativas e educativas para a Cultura de Paz, baseada no reconhecimento do mundo interno, em valores positivos e em um modo de vida mais fraterno e sustentável. Além de cursos abertos e formações em vários âmbitos, o ICM é mantenedor de três escolas de Educação Infantil e de Ensino Fundamental: Escola Caminho do Meio (Viamão, RS), CEDIN JC (Viamão, RS) e Escola Vila Verde (Alto Paraíso, GO).


AÇÃO SOCIAL E FORTALECIMENTO DE RELAÇÕES

Tem por objetivo o desenvolvimento de relações positivas com os membros das comunidades do entorno das sedes do Instituto Caminho do Meio, apoiando e oferecendo ações de assistência social, convivência e fortalecimento de vínculos, oficinas profissionalizantes e atividades esportivas, culturais e sociais.


AGROECOLOGIA E PRÁTICAS REGENERATIVAS

Busca promover ações educativas e formações continuadas nas áreas de sustentabilidade, ecologia, desenvolvimento sustentável, produção de alimentos, dentre outros temas. Também apoia atividades de economia solidária e agricultura familiar. Na região da Chapada dos Veadeiros (GO), atua junto ao Centro de Pesquisa em Agricultura Sintrópica (CEPEAS).


ATUAÇÃO COM COMUNIDADES TRADICIONAIS

A valorização e a troca de saberes junto a comunidades tradicionais brasileiras são o objetivo aqui. O Instituto Caminho do Meio recebe regularmente a visita de lideranças indígenas de diversas etnias, abrindo espaço para a escuta e o aprendizado a partir das visões próprias de suas culturas. Em particular, temos atuado com as aldeias Guarani Mbya do Rio Grande do Sul.


COMUNICAÇÃO PARA TRANSFORMAÇÃO DO MUNDO

Tem por objetivo a produção e divulgação de conteúdos de transformação de mundo, compartilhando iniciativas baseadas em compaixão e lucidez e difundindo visões de mestres e mestras do budismo e de outras tradições. O ICM apoia as ações da Editora Bodisatva, com destaque para a Revista Bodisatva. Além disso, desde 1999 o ICM e o CEBB organizam anualmente o evento “108 Horas de Paz”, no qual lideranças religiosas, sociais e ambientais se reúnem para dialogar sobre importantes questões atuais e agir para transformá-las.


Histórico

O Instituto Caminho do Meio (ICM) surgiu como fruto das atividades ambientais e sociais desenvolvidas, desde os anos 1970, pelo Lama Padma Samten, na época Alfredo Aveline. Professor de física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Alfredo foi voz atuante nos debates sobre energia nuclear no País, além de ter sido um dos fundadores da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN).

Anos mais tarde, tornou-se aluno de Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche, por quem foi ordenado Lama em 1996. Desde então, aliou e expandiu suas atividades de transformação do mundo a partir da visão ampla trazida pela tradição budista, dando origem ao Instituto.


1986 – Lama Padma Samten funda o Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB).

1990 – É lançada a primeira edição da revista Bodisatva, periódico voltado à divulgação de textos budistas e de transformação do mundo.

1999 – Na virada do ano, o CEBB organiza o 48 Horas de Paz, evento de diálogo e promoção de cultura de paz que, desde então, passa a acontecer anualmente. Tempos depois, o evento se ampliou e ganhou o nome de 108 Horas de Paz.

2007 – Constrói-se a primeira etapa da sede do Núcleo Assistencial, Social e Educacional Caminho do Meio (NASCEM), na comunidade do Jardim do Castelo (Viamão, RS).

2008 – O Instituto Caminho do Meio, localizado em Viamão (RS), é constituído juridicamente. No mesmo ano, é inaugurada a Escola Caminho do Meio, a partir de uma visão pedagógica estruturada em torno das Cinco Sabedorias Budistas.

2010 – Lama Padma Samten e seus estudantes se aproximam do Núcleo Educacional dos Irmãos Menores de Francisco de Assis (NEIMFA), na comunidade do Coque, em Recife (PE). É fundada a ONG Ação Darmata, como outra expressão do Instituto Caminho do Meio.

2012 – Início das atividades do CEDIN. Primeira edição do curso “Quatro Dimensões na Educação: Social, Econômico, Ecológico e Visão de Mundo”, junto ao Programa de Educação Gaia e à Fundação Findhorn.

2013 – Surge o Instituto Caminho do Meio Alto Paraíso (Alto Paraíso, GO) visando expandir a ação da organização na região. A Escola Vila Verde, anteriormente uma iniciativa privada, passa a ser mantida e dirigida pelo ICM.

2015 – Os moradores da Aldeia CEBB Caminho do Meio passam a organizar sua feira interna, focada em produtos naturais e orgânicos.

2017 – É criado o Instituto Caminho do Meio Mendjila (Canelinha, SC). Ocorre a primeira edição do Programa Terra Pura: Formação em Auto-Organização. A revista Bodisatva é revitalizada, com o lançamento de um novo site e nova proposta editorial.

2018 – É fundado o Instituto Caminho do Meio Sukhavati (Quatro Barras, PR). Por iniciativa de alunos de Ernst Götsch, é instituído o Centro de Pesquisa em Agricultura Sintrópica (CEPEAS), na Aldeia CEBB Alto Paraíso (GO).